Bolas de Berlim e quejandas

Poucos serão, por certo, os meus amigos, aqui presentes, que se lembram da II Guerra Mundial.

É natural, pois já lá vão mais de 60 anos (1939-1945) e muitos de vós ainda não eram nascidos.

Durante esse trágico período, em que Portugal se manteve sempre neutral, passaram pelo nosso país dezenas de milhar de refugiados. Normalmente chegavam com um visto válido por 30 dias – ou até mesmo ilegalmente, sem qualquer visto – e, como não conseguiam partir para outro destino, dentro do prazo legal, ou eram presos, ou forçados a residir numa das duas povoações, que a isso foram destinadas: primeiro as Caldas da Rainha, depois também a Ericeira.

Uma das limitações que lhes foram impostas era a proibição de trabalharem em Portugal, como assalariados.  Mas eles tinham que viver de alguma coisa.  É certo que muitos recebiam um subsídio de organizações de assistência nos Estados Unidos.  Mas era um magro subsídio, e alguns usaram de imaginação para montarem pequenos negócios, que isso sim, era permitido.

Foi assim que, como consequência da guerra e dos seus refugiados, se introduziram em Portugal, não só novos costumes, como novos produtos.

Escreve a historiadora Irene Flunser Pimentel, no seu livro «Judeus em Portugal durante a II Guerra Mundial»  (Lisboa, “A Esfera dos Livros”, Maio de 2006), que uma refugiada, de nome Davidson, começou a fabricar em casa um bolo, que conhecia do seu país natal, a Alemanha, e que ela vendia a outros refugiados, e depois a quem mais quisesse provar.

Era um frito de massa de farinha doce, redondo como uma bola, polvilhado de açúcar, no interior do qual se injectava um doce, normalmente vermelho. Na Alemanha, o bolo era chamado Berliner Pfannkuchen (bolo berlinense de frigideira), ou simplesmente Berlinner Ballen.Se ainda não adivinharam foram essas as primeiras “Bolas de Berlim”, que a breve trecho começaram a ser vendidas também nas pastelarias.  Mais tarde mudaram de estilo: passaram a ser cortadas horizontalmente e recheadas com o chamado “creme pasteleiro”.

Quem diria então que passados mais de 60 anos, as “Bolas de Berlim” se iriam manter, ainda hoje, nos balcões das nossas pastelarias, agora já naturalizadas como bolo tradicional português. E até que se tenha gerado já uma polémica à volta da proibição da sua venda ambulante nas praias, com grande prejuízo para as moscas, amantes do açúcar…

A verdade é que, a mim, as bolas de Berlim, que só vim a conhecer quando mudámos da aldeia para Lisboa, me lembravam muito as “filhós”, que a minha “avó” Maria, de Camarate, confeccionava pelo Natal, com a participação de toda a família alargada e gáudio da miudagem. Com açúcar e canela por cima.

O mesmo sucedia em Tremez, quando para ali mudámos, antes de nos instalarmos em Lisboa. Aí chamavam-se “velhós” e o recheio era de doce de abóbora.

Em ambos os casos eram bastante mais pequenas do que as bolas de Berlim que depois comi nas pastelarias de Lisboa.

E depois vendiam-se muito nas praias. Lembram-se?

Andava um homem (ou uma mulher) com uma caixa de lata, com prateleiras, e a garraiada atrás deles. As senhoras chamava-nos às barracas. “Já lá vai, vai já!”

No Brasil, comem-se pelo Carnaval, e chamam-se “sonhos”.

Aqui em Israel, na altura em que vos estou escrevendo, as confeitarias e os supermercados têm expostas grandes quantidades de “Bolas de Berlim” (ou “Sonhos” para os brasileiros que aqui vivem), pois está quase a chegar a semana da festa religiosa judaica de Hanucá (5-12 de Dezembro), em que é tradicional comer fritos em azeite, e sobretudo estas bolas, recheadas com doce de morango vermelho.

Mas já se usam vários outros recheios, para todos os gostos. Esta manhã estive num supermercado e vi lá um petiz, atrás da mãe que fazia as suas compras.  Vinha todo feliz, trazendo na mão uma caixa de plástico com três redondas “sufganiot” (é o nome que lhes damos na língua hebraica), recheadas com… creme de chocolate!.

Acham que é simples coincidência a tradição de vários povos, em diversos países, comerem bolos de massa frita no Inverno? Pois não é com certeza!  O frio, os dias mais curtos, as chuvas, que obrigam as famílias a ficar mais tempo em casa, os lumes acesos, tudo isto conduz à tendência para comer fritos e doces.

Para os judeus há uma explicação relacionada com o “milagre da bilha de azeite”, que não vou contar aqui, pois esta já vai longa. Para os cristãos, o pretexto é o Natal.

No mesmo contexto se insere a coincidência de diversos povos “inventarem” festas religiosas e nacionais, celebradas nas alturas importante do ciclo anual: as sementeiras, as colheitas, os novos frutos, o calor, o frio, a chuva, os dias longos e os dias curtos.

Somos todos muito semelhantes na nossa condição humana e de habitantes deste planeta.

Bolas de Berlim

Sufganiot


6 Responses to “Bolas de Berlim e quejandas”


  1. 1 Zé António 22 Novembro 2007 às 1:05 am

    A verdade é que já não fazem bolas com o sabor de antigamente.

  2. 2 Ladybird 22 Novembro 2007 às 1:16 am

    Gostei muito mesmo do seu blog.
    Tornar-me-ei uma frequentadora assídua.

  3. 3 cuco 22 Novembro 2007 às 10:05 pm

    Sim, mas não foram só as Caldas e a Ericeira.

  4. 4 lopes cardoso 30 Novembro 2007 às 11:56 am

    E que boas sao as filhos (com acento no o) ou “filhozes” das beiras fritas em azeite e polvilhadas com acucar e canela, a que brevemente me irei referir no meu blog.
    Ja agora diga-nos, como se deve dizer o plural de “filhos”( com acento): As filhos ou as filhozes?

    Shalom

  5. 5 jose 6 Fevereiro 2010 às 12:30 pm

    ola, mas que grande confusão de filhós. Permita que diga mas o sr nao percebe nada dos termos portugueses relacionados, tais como, filhoses, sonhos, etc. e se sabe alguma coisa baseou se em fontes duvidosas. obgdo.

  6. 6 Inacio Steinhardt 6 Fevereiro 2010 às 12:48 pm

    Obrigado pela visita e pela crítica “construtiva”.
    Tanto eu, como a maioria dos meus leitores, ficaríamos certamente gratos se nos brindasse com o seu douto esclarecimento.
    Aprender até morrer.

    Os meus cumprimentos

    Inácio


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s





%d bloggers like this: