Arquivo de Junho, 2007

Madrugada

Nas últimas semanas andei um pouco arredado destas lides etimológicas, pois as circunstâncias obrigaram-me a ocupar-me com outras mais prementes.   E ainda não terminaram.

Espero que os leitores deste blogue me relevem a falta.

Hoje quero corresponder à amável sugestão do leitor Nuno Matos, que aprecia a palavra “Madrugada”.

Pois aqui vai:

Madrugada chegou a nós do latim “maturicare”, que significava “amadurecer”.

Os mais velhos de entre vós lembrar-se-ão da canção infantil:

Ó minha amora madura,

Quem foi que te amadurou?

Foi o sol e a geada

E o calor que me apanhou. 

Quando a noite fica madura, e está quase a chegar a alva, alvor, alvorada, diziam que o dia tinha madrugado.

Circulam muitas especulações sobre a partícula indo-europeia “Ma”, que talvez seja ainda mais antiga e onomatopaica, pois em muitas línguas a palavra “Mãe” inclui esse som.  

Mas não passe o sapateiro para além da chinela.   Não tenho qualificações para argumentar isso.