O simpósio e os potes

O meu “avô” Jacinto, de Camarate, vivia numa casa construída por ele, por suas próprias mãos, ajudado pelos filhos, que todos foram pedreiros como ele.  

Quando chegou à aldeia, comprou uma casa em ruínas, e começou logo a ajeita-la, para lá viverem.   À minha “avó” adoptiva, chamavam, lá em Camarate, a “Ti Maria das ruínas.”

Depois a pouco e pouco, quando vinha das obras, onde trabalhava, começou a construir.   Sem arquitecto, nem engenheiro, claro.    Nem queiram saber o estilo daquilo.    A casa ainda lá está.

Água canalizada só tiveram muitos anos depois, quando eu já era um rapazinho e lá ia visitar de quando em quando.    Mas tinham um poço, dentro de casa.

Quando eu era pequeno, os meus “avós” diziam-me para beber só água do pote, que era boa para beber.    E daí, quando aprendi na escola a dizer “água potável”, fiquei a pensar que se chamava assim por ser “água do pote”, que se podia beber.

A verdade é que ambas as palavras vêem da mesma origem: o Indo-Europeu “po”, que nos chegou através do grego e do latim, e que significa simplesmente beber. 

O pote é portanto uma vasilha onde se guarda um líquido para beber.     Há também, como sabem, o “pote do vinho”.

Daqui em diante podemos começar a puxar as “cerejas”, e nunca mais acabar: poção, por exemplo, também é um remédio que se bebe, e potassa, vem do inglês potash (cinzas do pote), etc.

Mas a razão que me fez pensar no pote do “avô” Jacinto, foi o convite que recebi para participar num simpósio na Universidade de Bar-Ilan, aqui em Israel, em Ramat Gan.

É que os gregos antigos faziam uns festins para beberem na companhia uns dos outros.    “Sum” , em companhia, e “potes”, beber, deu o “sumpótěs”, companheiro da pinga.    E com o “sumpótěs” iam ao festim “sumpósion”, onde todos bebiam juntos, e que em latim deu “symposium”.

Por extensão, uma grande reunião, em que, além de beberem juntos, também discutiam assuntos de interesse para todos os participantes, passou a chamar-se um “simpósio”.

Portanto, terei que ir ao tal simpósio, beber alguma coisinha com os restantes convidados e discutir assuntos mais importantes do que pinga…

Quero aproveitar o ensejo para agradecer a simpatia dos muitos leitores, que me escrevem e me encorajam a inventar tempo livre, de que tenho muito pouco, para vir aqui partilhar convosco as histórias, que vou aprendendo.

“Simpatia” é evidente o mesmo “sum” ou “sim” (juntos) mais “pathos” (sentir), ou seja simpatizar com alguém, é sentir o mesmo que a outra pessoa.

E se sentir o contrário da outra pessoa, então tem por ela “antipatia”.    Ou pode não sentir nada, e, nesse caso, tem “apatia”.    

Aquela senhora, ali no fundo, perguntou se “patologia” também vem de “pathos”.     Pois vem sim, minha senhora, então não se sente?    E “pateta” também..

Mas tenham paciência, parem de puxar as cerejas, que são como as palavras; vêem umas atrás das outras.

1 Response to “O simpósio e os potes”


  1. 1 al cardoso 11 Março 2007 às 11:40 am

    Tambem sou daqueles, que faz votos para que consiga um tempito para nos explicar es palavras.

    Ja agora e embora nao esteja dentro do contexto, gostaria de saber mais sobre esse seu “avo” de Camarate.

    Ele era mesmo seu avo? e que as aspas deixam-me duvidas.

    Shalom.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s





%d bloggers like this: